Setembro Amarelo: campanha de prevenção ao suicídio

O Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio que teve início em Brasília em 2015, sendo uma iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), do Conselho Federal de Medicina (CFM) e da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

O mês de setembro foi escolhido para dar continuidade aos trabalhos e eventos já promovidos no dia 10 de setembro, quando é celebrado o “Dia mundial de Prevenção ao suicídio”, por iniciativa da International Association for Suicide Prevention (IASP).

O principal objetivo da campanha Setembro Amarelo é a conscientização sobre a prevenção do suicídio, buscando alertar a população a respeito da realidade da prática no Brasil e em todo o mundo. Para experts no assunto, o diálogo e a comunicação ainda são as melhores formas de prevenção do suicídio, por isso o calendário de eventos costuma ser repleto de palestras que buscam sensibilizar a população e os profissionais da área para os sintomas desse problema e para a saúde mental, fazendo-os entender que isso também é uma questão de saúde pública que precisa ser alertado.

Hoje, o suicídio no Brasil já faz mais vítimas que a AIDS e mata mais do que vários tipos de câncer e, mesmo assim, muitas pessoas ainda não discutem o assunto. Nos últimos anos, a taxa de suicídio no estado de São Paulo cresceu 30% e os homens são as maiores vítimas.

Existem alguns sinais de alerta que podem salvar a vida de quem você ama:

  • Normalmente, quem pretende tirar a própria vida apresenta os seguintes padrões: elas remoem pensamentos obsessivamente e não conseguem parar; 
  • Se sentem extremamente sem esperança, veem a vida como algo sem significado;
  • Manifestam alterações extremas de humor, excesso de raiva ou sentimento de vingança, ansiedade e irritabilidade.
  • Mostram-se muito preocupados com a morte, a morte ou a violência, embora também o completo oposto também seja preocupante, como falar destes temas com desdém ou sarcasmos;
  • Mudanças de comportamento inesperadas: deixar de praticar algum hobbie de que gostava muito; deixar de cuidar da sua aparência, se antes era uma pessoa que se preocupava com isso;
  • Ameaças: a maior parte das pessoas que pensa cometer suicídio avisa alguém próximo. Este aviso não deve ser ignorado ou encarado apenas como uma forma de chamar a atenção

Ao identificar alguns desses sinais peça ajuda e busque atendimento profissional, ou seja você a ajuda que alguém precisa, incentivando e acompanhando a pessoa a buscar uma avaliação profissional.  Muitas vezes um simples diálogo, um “ombro amigo” pode salvar uma vida.